Cada vez mais modelos de veículos híbridos e elétricos têm surgido no mercado, principalmente para atender a demanda de países europeus e asiáticos. Os modelos são fabricados por montadoras japonesas, taiwanesas, americanas, alemãs, francesas, enfim, a maioria delas querem abocanhar uma fatia desse bolo que só cresce. As chinesas também estão no páreo, mas a pouca credibilidade de alguns modelos anteriores embarricam o mercado americano.

A montadora BYD não vê isso como problema e acaba de lançar o modelo sedan Qin, um modelo ecologicamente correto no que diz respeito o combustível. Segundo a BYD, uma das maiores da  China, o Qin é um híbrido  que consegue percorrer 62,5 km por litro de combustível. Se for verdade, o modelo paga seu valor em combustível em pouco tempo, mas vamos às características principais do veículo: o Qin tem um motor a gasolina 1.5 turbo e outro elétrico como muitos outros híbridos, que gera 291 cv e torque de 24,5 kgfm. Até aí nada de surpreendente, nem mesmo a aceleração, que faz o carro chegar aos 100 km/h em 5,9 segundos e a atingir a velocidade máxima de 185 km/h.

O que impressiona é o sistema desenvolvido pela empresa, que no modo “híbrido econômico” modifica o funcionamento do motor, melhorando seu desempenho. Nele o carro redireciona a energia que seria dissipada e a transforma em energia cinética, reaproveitando assim para recarregar a bateria. A empresa não informou do que são feitas as baterias, somente que ela pode percorrer 44 quilômetros na carga máxima.

O Qin, que será lançado na China ainda no primeiro semestre de 2014, apresenta sistemas de manobras por controle remoto, que pode ser acionado fora do veículo. O motorista pode inclusive trazer o carro para perto dele.

Ainda não há previsão de lançamento do modelo no Brasil, que seria bem aceito, tendo em vista o preço da gasolina.

BYD Qin


A fabricante de automóveis Jaguar está lançando no Festival de Velocidade de Goodwood (Reino Unido) o seu novo modelo de veículo. A fabricante usou o seu sedan de luxo XJ para criar uma versão híbrida, conhecida por XJ_e.

Como sempre acontece nas versões híbridas, o foco do automóvel não é a potência, mas sim o fato de ser sustentável.

Mesmo assim, o motor do XJ_e é um 2.0 turbo que funciona a gasolina e tem 240 cavalos de potência. Junto ao propulsor elétrico, o motor rende 334 cavalos de potência. O automóvel ainda tem um câmbio automático com oito velocidades.

O consumo médio é de 31,2 km/l, sendo que a autonomia do XJ_e é de 1.092 km. A aceleração de 0 a 100 km/h acontece em 6,5 segundos e a velocidade máxima é de 250 km/h. Se for usado somente com o recurso elétrico, o automóvel consegue rodar cerca de 40 km. Quanto às emissões de gás carbônico, o índice é de 75 g/km se o veículo funcionar a gasolina e não há emissão alguma no caso de se usar a bateria elétrica.

Por Matheus Camargo


O evento mais comentado da atualidade do setor de veículos automotores é o Salão de Genebra, na Suíça, que segue até o próximo dia 13 (domingo). As montadoras, apostando em inovações relacionadas aos designs interiores e exteriores, aproveitam cada dia para levar ao público o tema da moda do ramo: carros elétricos e híbridos.

A Toyota, por exemplo, decidiu exibir dois modelos híbridos, um deles é um carro conceito. O Prius + é considerado o primeiro híbrido europeu a oferecer sete lugares. O maior espaço interno, ilustrado pelo “+“de seu nome, propicia conforto e maior economia de combustível.

O Yaris HSD (Hybrid Synergy Drive) é o conceitual da marca e embora não esteja finalmente terminado, apresenta-se bem próximo daquilo que a fabricante pretende comercializar pela Europa. Um dos grandes focos desse modelo é justamente a aerodinâmica por meio de novos para-choques dianteiro e traseiro, maçanetas associadas às portas e rodas aro 18. Por enquanto, informações sobre  a motorização não foram divulgadas pela Toyota.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Assessoria de Imprensa


A pauta da vez na indústria de veículos automotores é, sem poucas dúvidas, a fabricação de carros híbridos e elétricos. O mote ambiental tem suscitado novos investimentos por parte das montadoras, que enxergam bom futuro nesse nicho.

Enquanto líderes mundiais não chegam a definições em relação a emissão de poluentes prejudiciais à natureza, a Toyota, que controla a marca Lexus, lançou ao mercado japonês o hatchback híbrido CT200h, exemplar que garante autonomia de 34 quilômetros por litro.

Com motor 1,81 movido a gasolina e eletricidade capaz de gerar 134 cavalos de potência, o modelo Lexus CT200h tem preço inicial estipulado em aproximadamente R$ 50 mil.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Terra


Sucesso e com muita ajuda para a preservação do meio ambiente são os diferenciais do Prius da marca japonesa Toyota.

O modelo é o mais vendido no mundo no segmento de híbridos e muito disso se deve ao fato do modelo unir modernidade, estilo próprio e ótimo desempenho.

O Prius já atingiu a marca de quase 2 milhões de modelos vendidos em todo o mundo e o modelo já está em sua terceira geração.

A Toyota ainda estuda o lançamento do modelo no Brasil, porém as diversas adaptações às estradas e ao combustível fazem com que o Prius ainda demore um pouco até desembarcar em terras tupiniquins.

Por José Alberi


Com possibilidades de retornar ao país após mais de uma década (atuou por aqui entre 1994 e 1998), a Mazda começa a preparar novidades para o mercado. Com intenção de lançar um exemplar híbrido, movido a gasolina e motor elétrico, a montadora ratificou o objetivo de fabricar modelos híbridos e elétricos com conceito plug-in.

Leia mais: Mazda Motor pretende iniciar Vendas de Veículos no Brasil, Rússia e Índia

O conceito plug-in denota recarregar a bateria do carro por meio de uma tomada elétrica convencional, ou seja, as utilizadas em residências e empresas.

De acordo com Takashi Yamanouchi, presidente-executivo da empresa, a montadora adotará a disposição mostrada pela Nissan, Honda e Toyota no relativo aos modelos compactos híbridos. De acordo com o portal online da revista Quatro Rodas, a Mazda quer emplacar no mercado mundial, em 2013, um veículo utilizando a tecnologia sustentável ostentado pela fabricante Toyota.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Carros antigos, sucesso absoluto entre o público, aparecem de vez em quando no mercado mundial, porém com inúmeras reformulações em conformidade com os gostos do mundo contemporâneo, desde adequações nas linhas de design até reformulação de motor, redesenho do painel, volante, entre outros.

Informações levantadas pelo jornal norte-americano The New York Times supõem que a montadora Ford estaria confeccionando um modelo para substituir o Ford GT, mas com escopo na motorização elétrica ou híbrida, assim como o Volt, da GM.

Embora não existam informações concretas, os modelos híbridos ou elétricos, em alta no segmento, podem incitar a Ford a ingressar nesse nicho. De acordo com o Car Magazine, em breve o mercado poderá observar a disposição de um modelo esportivo com base na propulsão voltada ao slogan “ecologicamente correto”.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Como está acontecendo no mundo todo, os híbridos estão crescendo nos mercados de veículos e disputando suas respectivas fatias de vendas. E no Brasil não podia ser diferente. Depois do modelo da Mercedes-Benz, o S400 Hibrid, já está a venda no mercado nacional o Ford Fusion Hibrido. Nesta versão o sedã de luxo da Ford combina um propulsor a gasolina e outro elétrico e está custando R$ 133.900, conforme matéria do site G1.

Em comparação com a versão convencional do Ford Fusion o modelo híbrido possui ar condicionado elétrico, sistema de integração, nova transmissão automática continuamente variável, sete airbags incluindo airbags para os joelhos do motorista. O motor elétrico possui bateria de níquel metal e combinando o efeito dos freios regenerativos que recupera grande parte da energia de frenagem e conjuntamente com a energia do processo de combustão do motor a gasolina faz com que o modelo dispense o uso de tomadas.

O motor a gasolina é o mesmo 2.5 da versão convencional, no entanto um pouco menos potente. Na versão híbrida são 158 CV de potência, mas que combinado com o motor elétrico, a potência total pode chegar a 193 CV. De acordo com a Ford sua aceleração vai de 0 a 100 Km/h em 9,1 segundos.

Com seu novo isolamento acústico privilegiado, o mesmo requinte e elegância da cabine que se vê no modelo convencional, o Ford Fusion  Híbrido mantém o luxo e a classe. Suas linhas possuem leveza e imponência, aliando neste modelo híbrido a opção ecológica e economia. Conforme informações da fabricante o consumo deste modelo é de 18,4 Km/l na estrada e de 16,4 Km/l na cidade.

Por Mauro Câmara


Tendência atual da indústria automobilística, os carros híbridos e também elétricos vêm ganhando destaque cada vez maior no mercado. Cada vez mais montadoras importantes se interessam por desenvolver projetos e lançar modelos com estas configurações, que são menos poluentes e mais econômicos. E uma das grandes que já comercializa modelos híbridos é a Honda que vende os modelos Insight e CR-Z no exterior. E de acordo com matéria do site IG Carros, deverá vender dois modelos híbridos no mercado brasileiro até o final de 2011.

Os carros híbridos são modelos que combinam propulsores a gasolina e elétricos, o que reduz a emissão de gás carbônico e aumenta a economia do veículo. De acordo com a apuração da matéria citada acima, a montadora japonesa está planejando lançar duas versões hibridas de modelos convencionais no Brasil. O sedã médio Civic e o monovolume Fit. O Honda Fit hibrido inclusive já está sendo vendido no Japão e é um carro de desenho ágil, linhas modernas, boa aerodinâmica e perfeitamente adaptado para ao trânsito intenso das grandes cidades.

Ainda segundo a matéria citada, os preços dos modelos híbridos do sedã Civic e do Fit no mercado brasileiro deverão ficar um pouco mais "salgados" em relação aos modelos de propulsão convencional. Algo entre 35% e 45% a mais do que os preços praticados para os convencionais.

De qualquer forma o custo-benefício parece interessante quando se avalia que são modelos menos poluentes e que podem gerar uma boa economia no quesito abastecimento.

Por Mauro Câmara





CONTINUE NAVEGANDO: