Multas que foram aplicadas no dia 18 de julho serão anuladas no Distrito Federal.

O Governo do Distrito Federal anunciou que as multas que foram aplicadas aos motoristas nesta Unidade da Federação até a segunda-feira, dia 18 de julho, por transitarem com farol baixo apagado em rodovias durante o dia serão anuladas. Entretanto só será válida a medida para os condutores que não são reincidentes nesta infração. A partir da terça-feira, dia 19 de julho, as multas por não utilizar o farol durante o dia serão registradas normalmente.

Desde o último dia 8, quando a lei entrou em vigor, já foram registradas 5.055 multas no Distrito Federal pela infração de não uso do farol. O governador Rodrigo Rollemberg disse que a conversão de multa em advertência está previsto no artigo 256 do Código Nacional de Trânsito (CNT) e que o objetivo do governo não é arrecadar.

O governador também informou que perdoar às multas é uma maneira de levar o conhecimento aos motoristas. Por ser uma medida nova, os condutores ainda não estão acostumadas com a mesma.

Rollemberg disse que tomou tal decisão assim que analisou o caso juntamente com o Batalhão de Trânsito da Polícia Militar e o DER. De acordo com Henrique Luduvice, diretor do DER, o órgão fez diversas campanhas educativas antes de vigorar a lei.

A norma obriga o motorista a manter ligado o farol baixo ao trafegar em rodovias, durante o dia. O condutor que for flagrado será multado em R$ 85,13 mais quatro pontos na carteira.

De acordo com o DER, o Distrito Federal possui aproximadamente dois mil quilômetros de rodovias vicinais, federais e distritais. Com o farol baixo ligado, o órgão diz que pretende reduzir os índices de acidentes.

O DER do estado de Pernambuco também deixou de emitir as multas para os motoristas desde o último dia 12. A medida é válida para 15 rodovias estaduais localizadas na Grande Recife. Segundo o Departamento, as multas não serão aplicadas durante os próximos 40 dias.

Durante o período que as multas estão suspensas, terá uma intensificação no reforço na sinalização e no trabalho educativo das estradas sob jurisdição do estado e alguns locais terão placas informativas. A decisão foi tomada em reunião realizada pelos representantes do Conselho Estadual de Trânsito juntamente com o Batalhão de Polícia Rodoviária – BPRv.

Por Filipe Silva

Farol apagado

Foto: Divulgação


Fundamental para a prevenção de futuros acidentes e para a minimização dos danos no caso de colisões inevitáveis, a direção defensiva é a mais segura e conta com medidas básicas para se dirigir sem susto no trânsito.

Teoricamente, a direção defensiva é um dos assuntos mais abordados e recordados para se estudar na autoescola. Mas, embora a importância seu o uso seja enfatizado constantemente, às vezes, no trânsito, a teoria não é realizada na prática, para essa infeliz constatação, basta vermos a quantidade de acidentes envolvendo motoristas imprudentes e desatentos aumentando a cada dia.

Fundamental para a prevenção de futuros acidentes e para a minimização dos danos no caso de colisões inevitáveis, a direção defensiva é a mais segura e conta com quatro medidas básicas para se dirigir sem susto no trânsito.

O domínio das regras de trânsito, por exemplo, é a base da direção segura e imprescindível na hora de pegar a estrada sem sobressaltos. Conhecer as limitações do veículo e de si mesmo como condutor, juntamente com as limitações da pista é fundamental, uma vez que, em caso de imprevistos, fará com que o condutor haja como mais calma e inteligência, tomando providências conscientes.

Ainda que muitos fatores não estejam todos aos cuidados do condutor, a prevenção de incidentes ou acidentes pode ser facilitada com o uso de uma direção mais segura. Atenção ao que acontece ao seu redor, com o veículo em movimento; nas ruas, na calçada, no trânsito em geral. Para a direção defensiva, dirigir é um ato de coletividade, você dirige para si e para todos. Por exemplo, em áreas residenciais ou ruas com escolas, a chance de que crianças apareçam distraídas jogando futebol no meio da rua ou atravessando a via sem se atentar para os dois lados é iminente. Logo, a atitude preventiva do condutor é a de previamente diminuir a sua velocidade enquanto passa por ali.

A manutenção de sua vigilância, ou seja, manter-se sempre alerta requer toda a atenção e a consciência do motorista no trânsito, isso dispensa o uso de bebidas alcoólicas, drogas ilícitas, cigarros, ouvir música, tirar selfie ou atender ao celular enquanto dirige.

Por último, ser hábil é característica fundamental do motorista que prima por uma direção segura, o que não quer dizer ser veloz inadequadamente ou imprudente. É a perícia no volante que fará com que o bom motorista decida, em fração de segundos, por exemplo, se estando em uma estrada, o carro da frente freia bruscamente para um animal cruzando a pista; se o certo é também frear ou desviar, isso observando se há carros ao lado ou atrás de seu veículo.

O hábito de se dirigir com segurança vem com o tempo e com a prática, mas é o que torna o trânsito, um lugar menos perigoso para todos!

Por Flávia Alves Figueirêdo Souza

Direção defensiva


A legislação de trânsito indica que motoristas presentes em vias encobertas da visão do que acontece em cruzamentos, nos quais podem surgir veículos de forma repentina, possuem a prioridade de seguir em frente na via. De forma prática, parte das colisões que acontece nas ruas nacionais têm como causa principal a falta de conhecimento sobre a prioridade na passagem.

Em via na qual se pode fazer ultrapassagem no lado direito, quem tem a preferência de seguir à frente é o veículo que se encontra em alta velocidade. Ultrapassagens acontecem no lado esquerdo, enquanto que o fluxo normal permanece à direita.

Possível acontecer ultrapassagem inclusive quando a via da direita tem mão contrária, desde que os motoristas observem com cuidado para saber se não existem veículos que se aproximam e trazem riscos de colisões. Fazer esse tipo de ultrapassagem tem o aparato da lei desde que feita cuidadosamente. Condutores são responsáveis por conta dos atos no trânsito.

Debate sobre pedestres também é presente nas rotinas do trânsito. Por exemplo, até mesmo quando o semáforo se encontra no verde a preferência de passagem fica à pessoa que está a pé, ao levar em conta que motoristas não podem prejudicar a integridade física de pessoas com veículos menores ou pedestres.

No momento de tirar e colocar o veículo da garagem, quem dirige deve conceder preferência para pessoas que se encontram andando na calçada, ou mesmo aos automotivos presentes na via.

O CTB indica que veículos com batedores têm total preferência para realizar ultrapassagem. Para casos do gênero, condutores devem deixar livre a faixa da esquerda. Ambulância ou outros veículos de emergências com sirene também acarretam prioridade sobre os demais, tais como viatura de polícia ou bombeiros, por exemplo.

O artigo 212 do CTB indica que veículos que se deslocam em trilhos são priorizados na passagem, o que obriga aos demais condutores pararem antes do ponto que cruza a linha férrea.

Por Renato Duarte Plantier


A vida nas grandes cidades está se tornando cada dia mais estressante, principalmente no que diz respeito ao trânsito. Cada dia acontecem vários acidentes, engarrafamentos, e muitos assaltos. Por causa disso tudo, muitos motoristas têm deixado as metrópoles para morar no interior.

As cidades interiorianas apresentam um trânsito tranquilo, visto que sua popopulação é menor, e as pessoas não possuem muitos lugares para distração. Condutores irritados procuram um ambiente ameno para desestressar, e isso ao longo tempo pode gerar uma diminuição significativa da população das mega cidades.

O trânsito das megas cidades está ruim, no entanto o governo tem que tomar algumas providências para que não haja um êxodo urbano. Os rodízios de automóveis feitos nas grandes cidades, minimizaram um pouco esse problema, mas não foi o suficiente, é necessário que haja mais medidas similares a essas para que se possa reduzir os transtornos causados pelo excesso de veículos na rua.

Evitem o êxodo urbano, invistam em medidas para conter o excesso de veículos circulando pelas ruas.

Por MS





CONTINUE NAVEGANDO: