Veja aqui mais detalhes sobre o recall do Toyota Corolla.

Para entender o recall da Toyota, é bom que se saiba primeiramente o que é um recall, o próprio nome já sugere a um “chamado” (call), que as empresas fazem quando após seus analistas comprovarem que em algum modelo fabricado, pode estar contido algum erro em alguma parte da composição do carro, então são chamados os portadores dos modelos contidos com chassis que tem numeração fornecida pela empresa, que fez o recall. Ter segurança para as empresas é essencial, para manter seu padrão de fábrica, que tem importância com seus compradores.

O problema contido é denominado de problema na transmissão, e atualmente está contido em 65.963 veículos. Já a troca de airbags considerados “fatais” atingem 53.635 unidades.

Foram convocados pela Toyota nesta terça feira (3 de abril de 2018), os portadores dos modelos da atual geração do Corolla.

Feita de forma organizada, primeiramente a convocação é feita para proprietários do Corolla 1.8 que contém câmbio automático, esses terão reprogramação na unidade de transmissão eletrônica da CVT. As 65.963 unidades envolvidas nesse processo foram fabricadas todas entre 7 de outubro de 2013 e 11 de agosto de 2017. Abaixo seguirá os intervalos alfanuméricos que não estão em sequência dos chassis:

Do Corolla GLi Automático 1.8

O Alfanumérico: 9BRBL3HE*. Os chassis serão de J0104446 até J0125110

Alfanumérico: 9BRBLWHE*; Já os Chassis vão de F0001003 até H0104445

Foi dito pela fabricante que pode existir uma possibilidade de ocorrer um mau funcionamento da válvula solenoide da transmissão CVT, isso faz com que a unidade de controle eletrônico acenda uma luz de advertência no painel de instrumentos, isso pode limitar a velocidade do veículo em até 60 km/h. Diferente de alguns outros recalls onde pode ser oferecido os riscos materiais e físicos aos ocupantes do veículo, a Toyota assegura aos seus passageiros que não vai haver a possibilidade desses danos ocorrerem por esse problema na válvula solenoide.

A partir do dia 16 de Abril de 2018, os veículos serão chamados para a reprogramação da unidade de controle eletrônico da transmissão CVT e pode ser necessário efetuar o reparo do componente, porém, não é em todas as possibilidades que isso vai ser de grande necessidade, talvez possa ser evitado, assim, menos um problema.

Agora sobre o problema nos airbags, que são “fatais”, dessa vez foram chamados 53.635 unidades que foram produzidas entre Janeiro e dezembro de 2013, para a substituição da bolsa de Airbag do passageiro, pois será necessário o serviço. A troca acontecerá em uma etapa única, que se iniciará em 4 de abril de 2018. Porém, relembrando que apenas será necessário nos carros que foram produzidos entre Janeiro e dezembro de 2013, carros diferentes dessas datas não serão chamados.

A empresa montadora de veículos visa a preocupação com a segurança de seus passageiros, sendo assim, o investimento nessa segurança pode lhe trazer um retorno de verba, pois a confiança dos passageiros em poder comprar um produto em que se sentem seguros resulta em uma maior compra e uma maior demanda de veículos no mercado. Desta vez, pela Toyota, não foi oferecido riscos físicos, porém, para o passageiro é de extrema importância estar em um veículo onde ele não ocorrerá a riscos físicos e saber que a empresa se importa com esses riscos, então ele se assegura de manter a compra de veículos na mesma linha, pois sabe que lá mesmo quando se parece seguro são feitas análises para que sejam melhorados cada vez mais os carros que estão sendo vendidos para todos, e é um fato chave em relação a quem tem famílias, que visam primeiramente preservar a vida de todos.

Gustavo Martins dos Santos


O Novo Corolla 2015 já estreou no Brasil. Apesar do comercial ainda não estar a todo vapor nos canais da TV aberta e fechada, o carro já está "brigando" com o novo Honda Civic SI.

Em três versões, o Corolla custa a partir de R$ 66.570 na sua versão mais simples, a GLi, com o câmbio manual. Já o preço passa para R$ 69.990 se você escolher o câmbio automático.

O veículo vem equipado com o motor 1.8 Dual VVT Flex, com 144,1 cavalos. Como itens de série, temos ar condicionado, acabamento interno com tecido na cor cinza, vidros frontais com películas antirruído e 5 airbags (sendo que dois são frontais, dois laterais dianteiros e um de joelho para o motorista).

Nas outras duas versões, o carro vem com motor 2.0. A primeira delas, a XEi, custa cerca de R$ 79.990. O motor desta versão também é Flex e conta com 153,6 cavalos de potência. O veículo possui ainda transmissão multidrive-s com modo sequencial de 7 velocidades e com modo de condução Sport. Já o acabamento interno é feito a couro e material sintético, também na cor cinza.  Entre os itens de série temos espelhos retrovisores externos com indicador de direção e regulagem elétrica, faróis de neblina dianteiros e ar-condicionado integrado automático e digital, tirando um sistema multimídia com tela de LCD sensível ao toque.

Na versão mais completa, a Altis, o carro custa R$ 92.900 e possui o mesmo motor que a versão anterior, mas oferece ao consumidor maior luxo e comodidade. O interior do carro é revestido com couro e material sintético na cor bege. O carro vem ainda com faróis baixos, luzes de posicionamento LED, banco do motorista com ajuste elétrico, controle de velocidade, Start Button (partida sem chave), destravamento das portas por sensores, dentre outros.

O carro que vem com um novo design totalmente renovado tem novas lanternas traseiras e dianteiras, possui rodas de liga leve com 16 polegadas e oferece o mesmo conforto interno já conhecido nas versões anteriores.

Todos os preços dados incluem pagamento à vista e o frete.

Por Mariana Caetano


A Toyota já definiu a data de apresentação da nova geração do Corolla para o mercado brasileiro. De acordo com a assessoria da marca japonesa, o sedan será mostrado nos dia 11 e 12 de março, o que leva a crer que a Toyota deve iniciar as vendas do modelo em meados de abril.

Completamente redesenhado, a atualização da geração chega em hora apropriada, já que o modelo não passa por uma atualização desde 2011 e agora poderá devolver a liderança do segmento para a Toyota.

O sedan, que já teve produção iniciada em Indaiatuba (SP), será praticamente idêntico à versão europeia, com perfil mais conservador e clássico em comparação ao visual mais esportivo da configuração norte-americana. No entanto, a versão estadunidense pode aparecer posteriormente no Brasil na versão esportiva XRS.

A décima primeira geração do sedan está cerca de 8 centímetros mais longo (4,620 metros), 1,5 centímetros mais largo (1,775 metros), 1,5 centímetro mais baixo (1,465 metros). Além disso, o carro agora dispõe de 2,7m de distância entre-eixos, 10 centímetros a mais que a versão atual. Com as novas medidas o sedan teve seu espaço interno ampliado, principalmente para os passageiros do banco traseiro.

O interior passou por algumas modificações, como nos bancos (que foram redesenhados para oferecer maior conforto), no painel de instrumentos e no console; Além disso, o veículo está mais silencioso, já que houve um aumento do material de absorção de som.

Mecanicamente a nova geração do Corolla manterá os motores 1.8 e 2.0, contudo, a principal novidade ficará por conta da transmissão automática CVT, que simula sete velocidades virtuais, substituindo a antiga caixa automática com quatro velocidades. O câmbio manual de seis marchas permanecerá nas versões mais simples. 

Por Caio Polo





CONTINUE NAVEGANDO: