Para vender um carro usado e realizar um bom negócio é preciso mantê-lo em bom estado. Confira algumas dicas.

Nos dias de hoje, quem tem um carro sabe a dificuldade que é mantê-lo funcionando e em boas condições de estado.

Sabe-se que automóvel estragado, para muitos brasileiros, é sinônimo de gastos adicionais exacerbantes, isto é, contando tanto com a mão de obra do mecânico, mas especialmente com as peças. No entanto, apesar da importância que tem a parte interna está bem cuidada, não se pode esquecer ainda da parte externa do automóvel, essa sim oferece ainda mais gastos para quem quer recuperar e enche os olhos de quem pretende comprar, uma vez que, basicamente, é característica que conquista o comprador à primeira vista.

A primeira dica é direcionada para quem tem o interesse de revender o carro usado. Em situações como essa, é bastante comum que o comprador que tem interesse em adquirir o veículo queira comprá-lo a um preço abaixo do que aquilo que realmente vale. Ao mesmo tempo, o dono do veículo tem por natureza o modo de superestimar o veículo e, dessa forma, cobra um preço bem acima daquilo que realmente é válido.

Desse modo, pense duas vezes antes de levar o carro para uma concessionária. Isso porque, apesar de parecer mais fácil de concluir a venda, grande parte das concessionárias deixam o proprietário do veículo no prejuízo, uma vez que, essas empresas só aceitam efetuar a compra por um preço inferior aquele proposto pela tabela. Geralmente, as afirmações são sempre as mesmas, isto é, em suas justificativas, alegam que precisam realizar manutenções e reformar algumas partes, pois só assim o veículo pode tornar-se interessante frente aos olhos de um terceiro comprador.

No entanto, quando se trata de revendedoras, a situação muda por completo, pois é possível deixar veículo no modo consignado. Desse modo, ele é exposto na loja ao preço que o vendedor julgar ser justo e quando o comprador aparecer, eles cobram apenas uma porcentagem do valor total que o veículo foi vendido.

Outra opção que nos últimos anos, com a grande disposição de recursos tecnológicos, tem ganhado força no mercado automotivo é investir em publicidade. É isso mesmo, há inúmeros sites de classificados, com o intuito de justamente facilitar, pelo menos, à primeira vista, a relação do vendedor com o comprador. É certo que eles devem marcar alguns encontros para chegar a um negócio.

Entretanto, nenhuma outra estratégia costuma ser tão eficaz quanto às feiras de automóveis. Esses lugares são ideais tanto para quem precisa vender quanto para aqueles que estão à procura de um automóvel.

Manter as peças originais do veículoé outra dica muito importante e que deve ser levada a sério. Ás vezes é necessário fazer adaptações no automóvel com peças diferentes. No entanto, isso não é aconselhável, uma vez que, o comprador pode ter uma impressão ruim sobre o veículo, isto é, pode parecer externamente que é de má qualidade. Além disso, pode parecer falta de zelo por parte do dono. Sendo assim, quando houver a necessidade de trocar as peças, é bom que seja comprada as originais. Pois, dessa forma, caso o veículo tenha que ser repassado para frente, o vendedor consiga fazer um bom negócio.

Manter o carro limpoparece uma dica óbvia. Entretanto, quando for apresentar o veículo para um possível comprador é bom certificar-se que o carro esteja livre de qualquer sujeira. A mesma dica pode valer quando for fotografar partes do veículo para fazer um post de divulgação na internet. Vale ressaltar que é necessário que estejam limpos tanto a parte interna quanto a parte externa do automóvel. Dessa forma, é bom zelar pelos estofados do carro, pois manchas podem passar uma sensação de desconforto para quem possui interesse na compra. O mesmo acontece com cheiro do carro, que é um agravante ainda maior.

Por Ana Paula Oliveira Coimbra

Carro usado


Confira aqui algumas dicas e cuidados necessários na hora de realizar a manutenção dos pneus de seu carro.

O que a conservação e manutenção adequadas de carros, motocicletas e caminhões têm em comum? A primazia e a atenção especial dada aos seus pneus, uma vez que em todos os veículos, eles são itens que requerem uma série de cuidados fáceis, porém constantes, para que surpresas desagradáveis sejam evitadas. Que o cuidado com os pneus é fundamental para a segurança do condutor e de seus passageiros no veículo em circulação, isso todo mundo sabe. Mas, como fazer sua manutenção corretamente?

1 – A Calibragem dos Pneus:

Para que a estabilidade e o comportamento do veículo não sejam alterados, é necessário que os seus pneus estejam com os níveis de pressão corretos. Pneus com pressão abaixo do indicado e informado pelo manual do dono, fazem com que o carro, a moto ou caminhão consumam mais combustível. Ponto negativo para o meio ambiente e para o bolso do condutor. A execução de sua calibragem é indicada a ser feita a cada duas semanas de rodagem.

2 – O Alinhamento dos Pneus:

Na maioria das vezes, pneus desalinhados se desgastam de forma desigual. A vida útil desse item nessas condições se reduz em até 50%, compromete o sistema de direção e o de suspensão do veículo. Caso esse meio de transporte esteja pendendo mais para um lado do que para o outro em linha reta, é sinal de que seus pneus estão desalinhados.  Cada revisão que é feita requer que os pneus sejam alinhados.

3 – Rodízio de Pneus:

As trações dianteira e/ou traseira dos veículos requerem mais dos pneus que ali se localizam, logo, eles se desgastam mais. Uma boa saída é que eles sejam alternados de posição constantemente, de modo que eles se danifiquem de um modo mais ou menos parecido. O propósito é que a vida útil dos pneus se estenda e que acidentes sejam evitados nas curvas e nas frenagens bruscas.

4 – Cuidados com o Estepe:

Ainda que o estepe seja um item que fique mais tempo dentro dos carros e caminhões, e que os condutores torçam para que ele não precise ser usado, isso poderá acontecer. E quando essa hora chegar, ele deverá está em perfeitas condições de uso. Para tanto, a recomendação é que esse pneu reserva seja calibrado de quinze em quinze dias.

Flávia Alves Figueirêdo Souza


É preciso ficar atento a algumas dicas para escolher a melhor gasolina para abastecer o carro.

Com a alta da gasolina, tudo que o motorista puder fazer para economizar é bem-vindo e tem ainda a questão de que nem toda gasolina é de qualidade, o que faz aumentar o consumo e, ainda, desgasta as peças do motor de forma muito mais rápida. Por isso, é bom ficar atento na hora de escolher a gasolina para abastecer seu carro.

Você precisa escolher um posto que seja de confiança e saber escolher a gasolina ideal para seu carro.
O ideal é que você abasteça seu carro sempre com combustíveis que ofereçam controle de qualidade, por exemplo, a Petrobras tem o programa "De Olho no Combustível", que garante uma gasolina de qualidade em seus postos. A empresa percorre o Brasil com um veículo dotado de todos os equipamentos necessários para testar a gasolina e vai visitando os postos de combustíveis da marca e testando a gasolina. Estas visitas são surpresas e fazem com que o combustível da Petrobras seja de qualidade nos postos por todo o País.

Outra questão a ter cuidado é saber qual gasolina escolher na hora de abastecer, se é melhor escolher a gasolina comum, a aditivada ou a premium.

Hoje no Brasil são comercializadas duas gasolinas, a Comum e a Premium, e estas podem ser ou não aditivadas.

Cada marca tem sua própria fórmula para aditivar a gasolina, que é uma gasolina com "detergentes" que vão ajudar a limpar o "sistema de alimentação de combustível" do seu carro e as sujeiras vão sendo eliminadas aos poucos, pelo próprio escamento do veículo. E temos ainda a gasolina Premium que é uma gasolina com maior "octanagem", ideal para os veículos importados que precisam desta gasolina para ter um desenvolvimento maior. Também a gasolina Premium pode ser aditivada ou não.

Fique sempre atento ao rendimento do seu veículo quando abastecê-lo e procure usar a gasolina sempre daqueles postos nos quais você confia. Também é bom conversar com os amigos, para saber onde eles abastecem e o que estão achando.

E lembre-se que a gasolina ideal para um veículo nem sempre é a mais indicada para outro, por isso, caso fique em dúvida, converse com o seu mecânico, pois após verificar o motor do seu carro ele vai lhe dizer qual gasolina utilizar com mais frequência e de quanto em quanto tempo você deverá utilizar, por exemplo, uma gasolina aditivada, para ajudar na limpeza.

Por Russel

Gasolina


Como sabemos é preciso ter muita cautela na hora de comprar o carro novo. Infelizmente ainda existem muitas tramóias por trás de grandes descontos oferecidos no mercado, tanto para os novos quanto para os semi novos.

Algumas dicas podem ser muito úteis na hora de fechar o negócio e algumas delas pertencem a parte básica do procedimento, basta apenas ter um pouco mais de atenção. A primeira atitude é ter a certeza sobre a melhor forma de pagamento. No caso de financiamentos, é necessário ter a consciência sobre o número de parcelas e se de fato elas valem a pena.

Observe as taxas mensais e repense simulando um maior valor de entrada, mesmo que para isso deva se esperar mais alguns meses pois vale lembrar que além das prestações, existem as despesas do dia a dia como combustível, pedágio e alguma reserva mínima em caso de alguma eventualidade em trânsito.

A pesquisa certamente é feita muitos meses antes e a preferência pelo modelo e pela marca são logo definidos pelos compradores. O que muitos se esquecem de analisar é o perfil do carro que  também deve somar ao custo benefício oferecido pelo bem a ser adquirido.

O que é necessário: um utilitário ou um simples carro de passeio? Um hatch ou um sedã?

A garantia oferecida também deve estar livre de qualquer dúvida e mesmo que seja difícil, em muitas ocasiões, recomenda-se ler toda a proposta da contraparte atentando-se nas devidas coberturas.O assunto deve incluir as revisões obrigatórias.

O vendedor – impreterivelmente – deverá prestar todo o suporte pós-venda, esclarecendo qualquer dúvida futura e auxiliando em casos de problemas relacionados ao veículo, mesmo que a assistência pertença a terceiros (em casos mais extremos).

O consumidor tem direito a possível troca, se necessário. Toda a parte mecânica deve estar intacta, assim como todos os outros itens e acessórios. Por fim, nunca se esqueça de checar minusciosamente a documentação se atentando aos detalhes como os seus dados pessoais e demais informações  necessárias a  serem atualizadas.  

Por Luciana Ávila

Foto: Divulgação


Talvez seja um pouco de exagero pensar que existe um carro certo, sob medida, para cada pessoa. Mas é certo que um veículo tem que se encaixar com as necessidades e com as exigências do consumidor.

Um pai de família com três filhos, por exemplo, não vai pensar em um compacto que mal abarca duas pessoas na traseira, e vai querer um produto confortável e seguro para carregar a família toda.

É exatamente essas prioridades que farão a diferença no momento da escolha. Um bom vendedor vai procurar investigar quais são essas prioridades e qual seria a melhor opção para atender a todas elas da melhor forma, mas a verdade é que o consumidor precisa ter isso em mente antes mesmo de ir à concessionária.

Para isso é preciso pensar, listas, e elencar as mais importantes. Pense em quanto você pode gastar e elimine os carros mais caros, depois procure separar os itens: comodidade, conforto, desempenho, tecnologia avançada do motor, economia, acessórios, segurança. Isso tudo, dentre outros fatores que cabem à própria personalidade e intenção de cada comprador.

Há os que prezem pelos mais potentes, e outros que se preocupam com a aparência e acessórios do veículo. A separação dessas prioridades pode auxiliar, e muito, na escolha certa do seu carro novo. 

Por Fábio G. Santos


É muito importante saber os custos envolvidos na compra do carro novo e os impactos que podem ser acometidos ao orçamento da família. E, por que não procurarmos entender como vai ser o pagamento daqui a dois ou três anos nas parcelas do seu carro novo? Esta preocupação pode livrar o consumidor de uma verdadeira cilada da " Bola de Neve" nas finanças pessoais.

Afinal de contas, na concessionária, o vendedor quer vender, e muitas vezes, a qualquer custo (não os dele. Evidentemente!). Por isso, apesar de estar sugerindo que esta seja uma matéria sobre finanças ou impostos, acredito que ela passa a ter a mesma importância para quem deseja comprar seu automóvel com a segurança de saber exatamente o que vai acontecer durante a sua jornada de pagamento do "bem querido"!

Sendo assim, vamos simular a compra de um automóvel, e entender aquelas continhas que o vendedor da concessionária faz e que quase sempre, não fica muito claro para nós! Suponhamos que você tenha chegado em uma concessionária e encontrou o veículo que gostaria de comprar e para checar se o pagamento do veículo ficaria compatível com seu orçamento você consultou o vendedor.

O valor do carro seria (em hipótese): 15 mil reais, e foi ofertado um percentual de juros de muito baixo, pela compra do carro. O vendedor disse que você, certamente, poderia comprar o carro por pequenas parcelas de apenas R$754,00 em 24 meses, com juros, ínfimos, segundo o vendedor, de menos de 1% ao mês. Até aí, tudo bem. Mas, vamos pensar um pouco!  Por precaução financeira, (a economia é regida por cautela e previsão de riscos), se multiplicarmos o valor das parcelas, proposto pelo vendedor, pelo número de meses, teremos:

Valor do carro à vista = 15 mil reais.                                                                                                                                                                                                                                                                                                       

Valor de parcelas/meses = R$ 754,00

Total Pago em 24 meses = R$ 754,00 x 24  =  R$ 18096,00

Então, isso significa que a taxa percentual de juros ficou acima do valor abstraído pelo vendedor como muito pequeno, ou, menor que 1%. Na verdade, o valor percentual pulou para 1,56%. este exemplo, fictício, pode muito bem, ocorrer comigo, com você, com seu vizinho, ou seja com quem for.

Por isto, tenha muita a cautela na hora de assinar o contrato de compra e financiamento do seu carro novo, ou de outros bens de consumo. As facilidades expostas pelo vendedor ou propagandas, podem ocultar ciladas deste tipo. Então, lápis e caneta na mão, um bom caderninho de anotações para fazer as contas, ou até uma calculadora simples e conhecimentos básicos de porcentagem e juros simples e compostos, podem fazer a maior diferença nesses momentos. 

Por Silvio Teixeira


Esta é a nova estratégia de vendas das montadoras no Brasil, isto porque demora mais a desvalorização do semi-novo e dar a sensação ao cliente de estar comprando a novidade do mercado.

Por exemplo, se comprarmos um carro modelo 2011 em março de 2010 e vendermos o carro no final de dezembro de 2011 ainda assim estaremos com um carro do ano para ser vendido, o que o torna bem menos desvalorizado e mais procurado pelos clientes.

As concessionárias também têm mais tempo para vender o seu estoque e facilita promoções e impede de ficar com carros desatualizados, pelo menos no ano de seu modelo.

Mas temos que ter receio com algumas tendências, afinal cada vez mais cedo estão antecipando os lançamentos, o que parece que daqui a pouco tempo irão lançar carros 2014 no ano de 2012.

Por José Alberi Fortes Junior


O Brasil é o país onde há a maior incidência de raios do mundo. isso deve-se ao fato do nosso país ser grande, com diversos tipos de clima, e também por conta do aquecimento global que afeta o mundo todo.

Contudo os motoristas estão protegidos contra raios, tendo em vista que os carros são superfícies metálicas fechadas, que impedem a penetração da eletricidade para dentro do veículo, onde se encontra o motorista. Já as motocicletas não são, e nem nunca serão um ambiente seguro para o abrigo contra as descargas elétricas, pois elas são meios de transporte abertos, que não possuem nenhum tipo de "gaiola metálica".

Sempre estará mais seguro dentro de um carro do que fora dele, porém, o condutor não deve tocar em nehuma parte metálica do carro, para estar totalmente protegido.

O automóvel  trouxe muitos beneficios, e a proteção contra raios é mais um destes benefícios.

Por MS


A vida nas grandes cidades está se tornando cada dia mais estressante, principalmente no que diz respeito ao trânsito. Cada dia acontecem vários acidentes, engarrafamentos, e muitos assaltos. Por causa disso tudo, muitos motoristas têm deixado as metrópoles para morar no interior.

As cidades interiorianas apresentam um trânsito tranquilo, visto que sua popopulação é menor, e as pessoas não possuem muitos lugares para distração. Condutores irritados procuram um ambiente ameno para desestressar, e isso ao longo tempo pode gerar uma diminuição significativa da população das mega cidades.

O trânsito das megas cidades está ruim, no entanto o governo tem que tomar algumas providências para que não haja um êxodo urbano. Os rodízios de automóveis feitos nas grandes cidades, minimizaram um pouco esse problema, mas não foi o suficiente, é necessário que haja mais medidas similares a essas para que se possa reduzir os transtornos causados pelo excesso de veículos na rua.

Evitem o êxodo urbano, invistam em medidas para conter o excesso de veículos circulando pelas ruas.

Por MS





CONTINUE NAVEGANDO: