Agosto teve o pior índice de produção de veículos em 10 anos



  

Com um recuo de 18,2%, foram fabricados 216,5 mil veículos em agosto deste ano, pior índice registrado para o mês em 10 anos.

As montadoras brasileiras estão passando por momentos cada vez mais difíceis. Como se não bastasse a situação do mercado e perspectivas não muito boas para a economia, o mês de agosto que acabou de se encerrar trouxe uma notícia nada agradável: 216,5 mil veículos fabricados. Esse número representa o pior apresentado para o mês em um período de dez anos.

De acordo com informações divulgadas pela Anfavea, a entidade que é responsável por representar o setor, se compararmos com o mesmo período do ano passado vamos encontrar um recuo das atividades de produção na margem de 18,2%.

Para ver a baixa na produção nem é preciso ir tão longe. Quando comparamos os números da indústria vamos encontrar uma queda de 3,5% de agosto em relação a julho.

Já quando o assunto é a produção acumulada no ano teremos 1,73 milhão de unidades. Pode parecer muito, mas não é. Isso representa 16,9% para baixo sobre o mesmo período do ano passado. Desde o ano de 2006 esse é o menor índice apontado. Na época foi registrado 1,62 milhão.

Venda de carros novos:





No caso da venda de veículos novos houve, no mês de agosto, um recuo de 8,9% em relação a julho. Já a queda registrada em comparação com o mês de agosto de 2014 é de 23,9%. Novamente, esse é o pior percentual desde o mesmo mês do ano de 2006. Nesse período (2006) as vendas ficaram em 178,5 mil.

De acordo com a presidência da Anfavea o momento do mercado continua sendo difícil. O setor que mais sofre com isso é o de produção de caminhões. Outra informação importante dada pela entidade é o fato de que para os meses de setembro e de outubro também estão sendo esperadas novas quedas.

A recuperação nas vendas ainda está muito longe de acontecer para a entidade. A previsão é que isso ocorra somente a partir do fim do segundo trimestre de 2016.

Por Denisson Soares

Produção de veículos

Foto: Divulgação



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *